Quarta, 22 de Setembro de 2021
25°

Poucas nuvens

Parapuã - SP

Dólar
R$ 5,28
Euro
R$ 6,19
Peso Arg.
R$ 0,05
Cidades Lavagem de dinheiro.

Justiça condena engenheiro do DER a 4 anos de prisão por lavagem de dinheiro

Segundo a Justiça, o engenheiro ocultou automóveis e cotas societárias em nome de parentes, como o irmão e filhos.

10/09/2021 às 08h31
Por: Redação Guia Online Parapuã - Diogo Oliveira
Compartilhe:
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O Juízo da 4ª Vara Criminal de Bauru (SP) condenou o engenheiro do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) da cidade, Rafael Lamônica Netto, ao cumprimento de 4 anos e 6 meses de reclusão por lavagem de dinheiro.

De acordo com a sentença, com data de 3 de setembro e publicada nesta quarta-feira (8), Lamônica praticou seis crimes de lavagem de dinheiro, ocultando automóveis e cotas societárias em nome de parentes, como o irmão e filhos.

A pena será cumprida em regime inicial semiaberto, além da aplicação de multa de 90 salários mínimos. O engenheiro poderá recorrer em liberdade.

A sentença foi proferida em ação movida pelo Ministério Público, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), e aceita pela Justiça em 2019.

O Gaeco já havia conseguido a condenação do réu pelas práticas de crimes de organização criminosa e diversos peculatos durante a "Operação Estradas" em 2016. Na época, a operação apurou desvios milionários dos cofres do DER, praticados por engenheiros do próprio departamento e de empresas envolvidas nos ilícitos.

Após constatarem os crimes contra a administração pública, o Gaeco passou a investigar eventuais lavagens de capitais promovidas pelos envolvidos, na chamada operação nota branca, que resultou no oferecimento de denúncias em face de Lamônica e de outro engenheiro, ex-diretor regional do DER, que é réu em processo autônomo.

Além de ações criminais, os engenheiros acusados nos autos da operação ainda figuram como réus em ação civil pública proposta pelo Gaeco em conjunto com a Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público de Bauru, expediente em que o Ministério Público busca a reparação do dano e a imposição de multa civil para os envolvidos e empresas beneficiadas, além de outras penas.

Diversos bens e valores, ao longo das ações do Gaeco, foram sequestrados, muitos deles já alienados antecipadamente.

O advogado de Rafael Lamônica Netto informou que vai recorrer da sentença para que o fato seja reapreciado pelo Tribunal de Justiça. Já o DER informou que ainda está tomando conhecimento da sentença para se manifestar.

 

 

 

 

 

 

Com informações: G1

Parapuã - SP Atualizado às 10h32 - Fonte: ClimaTempo
25°
Poucas nuvens

Mín. 19° Máx. 31°

Qui 31°C 15°C
Sex 32°C 16°C
Sáb 33°C 18°C
Dom 30°C 19°C
Seg 37°C 20°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Ele1 - Criar site de notícias