Quinta, 22 de Outubro de 2020 12:34
18 99746 6403
Cidades

Caminhoneiro de Rinópolis percorre 730 km a pé até o Santuário de Aparecida

João Carlos Rúbio Marangoni, 44 anos, prometeu à Nossa Senhora que faria a peregrinação caso sua filha fosse curada da intolerância à lactose.

13/10/2020 10h40
Por: Redação Guia Online Parapuã - Diogo Oliveira Fonte: Informações RP10
Caminhoneiro de Rinópolis percorre 730 km a pé até o Santuário de Aparecida

 

O caminhoneiro João Rúbio Marangoni, 44 anos, concluiu na manhã desta segunda-feira (12), a sua peregrinação de 730 quilômetros, de Rinópolis (SP), onde mora, até o Santuário de Aparecida, em cumprimento a uma promessa feita à Santa pela saúde de sua filha de 13 anos.

A menina possui intolerância à lactose e, um dia, ao chegar de viagem, em 2018, se deparou com a filha em sofrimento, com desconforto intestinal e passando muito mal. Na hora, pediu a cura à Nossa Senhora Aparecida e prometeu, caso recebesse a graça, que iria até o Santuário dois anos depois.

Na noite de 24 de setembro, avisou a família que cumpriria a promessa e, no dia seguinte, saiu de sua residência com poucos apetrechos em uma mochila, como agulha e linha (para tratar as eventuais bolhas que surgissem), além de talco para não dar umidade nos pés, uma muda de roupa e um cabo de vassoura, que ajudou na longa caminhada.

Foram 18 dias de peregrinação. Ele dormia em hotéis, pousadas e motéis, onde lavava a roupa que usava. Quando não encontrava lugares para passar a noite, o jeito era se ajeitar embaixo de uma árvore na beira da estrada mesmo, ou mesmo na porteira de fazenda.

O caminhoneiro conta que chegou a tomar banho em rio e passou toda espécie de dificuldade: fome, sede, frio e calor. Quando não encontrava alimentação na beira da estrada, o jeito era entrar em uma cidade próxima para comprar comida.

Os momentos mais difíceis foram os três primeiros dias, pois não era acostumado a andar e não tinha condicionamento físico. Andava de 40 a 45 quilômetros por dia, mas chegou a caminhar até 53 quilômetros em um único dia.

“Sempre tive muita fé em Nossa Senhora Aparecida e graças a ela minha filha melhorou muito. Eu precisa honrar a minha palavra e pagar a promessa”, afirmou.

Para cortar caminho, Marangoni chegou a andar 68 quilômetros em estrada de terra, em meio a um canavial, em Barra Bonita (SP). Neste trecho, a esposa Edercleia foi ao seu encontro (eles se comunicavam por celular) e deu apoio com água e alimentação, além de muita oração.

Em outros trechos, alguns amigos foram ao seu encontro apoiá-lo e, ao chegar na rodovia Presidente Dutra, ficou muito feliz, pois havia apoio aos peregrinos, com distribuição de água e comida.

Emoção na chegada

A chegada ao Santuário de Aparecida foi por volta das 9h30 desta segunda-feira e carregada de emoção. “Chorei muito, acendi uma vela para Nossa Senhora, agradeci por todas as bênçãos recebidas e rezei”, conta.

Durante o percurso, o caminhoneiro perdeu oito quilos. Para ele, a viagem é uma oportunidade para reflexão. “Durante o trajeto, tudo volta à cabeça, as experiências boas e ruins que vivemos, é como se passasse um filme com nossa trajetória de vida”, relata.

Uma breve pausa na caminhada em um encontro com amigos durante a peregrinação que durou 18 dias: fé e superação

 

O caminhoneiro com a esposa, Edicleia, e os filhos Bianca e Victor, no Santuário de Aparecida: oito quilos mais magro, mas feliz

 

Ele1 - Criar site de notícias