Segunda, 25 de Maio de 2020 22:55
18 99746 6403
Política e Economia Coronavírus

Prefeitos da Alta Paulista pedem a flexibilização dos estabelecimentos comerciais e solicitam ajuda no combate ao coronavírus

Prefeitos assinaram manifesto direcionado ao Governador do Estado de São Paulo, João Doria.

30/03/2020 09h41 Atualizada há 2 meses
Por: Redação Guia Online Parapuã - Diogo Oliveira Fonte: Redação Guia Online Parapuã
Prefeitos da Alta Paulista pedem a flexibilização dos estabelecimentos comerciais e solicitam ajuda no combate ao coronavírus

Na última sexta-feira (27) foi realizado em Tupã uma reunião com 12 prefeitos pertencentes a AMNAP, Associação dos Municípios da Nova Alta Paulista, onde foi discutido medidas tomadas pelo Governo do Estado de São Paulo a respeito do fechamento de comércios não essenciais a fim de evitar a proliferação do novo coronavírus (COVID-19). Reivindicações também foram enviadas ao governo, para o enfrentamento da pandemia na região.

De acordo com informações obtidas pela nossa reportagem, a reunião teve a principal finalidade de atender a solicitação dos comerciantes da Alta Paulista, que diante da medida do governo Doria (PSDB), temem uma crise financeira em seus respectivos comércios que se encontram fechados. Na discussão entre os prefeitos, foi enviado ao governador um manifesto para a flexibilização dos estabelecimentos comerciais, ou até mesmo a reabertura dos mesmos.

Apesar do Doria, em última coletiva de imprensa, destacar que o decreto deve se estender até o próximo dia 7 de abril, o manifesto prevê uma oportunidade de destacar ao governo a necessidade de outras medidas seguras serem tomadas, sem afetar o funcionamento do comércio, colaborando para o giro da economia.

Nota da ACIP, Associação comercial e industrial de Parapuã

Em nota a associação comercial de Parapuã, através da Presidente Eliane Zacarias Auad, destaca que junto ao executivo municipal vem buscando solucionar a questão do fechamento do comércio local.

“O período pelo qual o comércio de Parapuã está passando é de extrema dificuldade e a ACIP não está medindo esforços para procurar amenizá-la. Como é de conhecimento de todos, estivemos em reunião com as autoridades municipais, buscando solucionar a questão do fechamento das lojas. A posição do Poder Público, infelizmente, não nos foi favorável, uma vez que, baseado na argumentação de que o Decreto Estadual e a ordem do Promotor o impedem de tomar uma posição diferente, levando-se também em conta a orientação médica recebida. Portanto, o comércio permanecerá fechado, à exceção daquelas empresas autorizadas expressamente a abrirem. A ACIP continuará na luta pela reabertura plena do comércio, respeitando sempre as orientações sanitárias.” Destaca a nota.

Outras Reivindicações 

De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde, São Paulo segue como epicentro do vírus, com o maior número de mortes e infectados em relação as demais regiões do País. Segundo os prefeitos até o momento nenhum auxílio para equipar os hospitais da região foi fornecido, e na oportunidade foi reivindicado cerca de 50 respiradores e outros 50 novos leitos completos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), destacando a importância de se instalar um hospital de campanha para atendimento das vítimas.

No documento também é relatado a falta do envio de recursos financeiros para que as prefeituras consiga insumos necessários para o enfrentamento do vírus, pleiteando o fornecimento imediato para atender a população nas unidades de saúde, além do fornecimento de cestas básicas que incluam materiais e produtos de higiene como ajuda de custo para famílias carentes.

 

Ele1 - Criar site de notícias